Páginas

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

I won't make it to your funeral



Amigo, me desculpe, mas eu não vou conseguir ir no teu funeral.

Eu sei que agora deve ter muita gente conversando contigo, dizendo o quanto sente saudade e como queria que você voltasse. Eu sei que agora tem muita gente te mandando luz pra você siga em frente, pra que seu espírito alcance paz. E, acredite, eu sou mais uma dessas pessoas, querendo que você encontre paz onde quer que você esteja.

Mas será que agora você pode me ouvir um pouquinho, como costumava fazer enquanto ainda habitava a carne?

Tá tudo ruim por aqui. Tá dolorido. As coisas não estão indo bem, tudo parece caótico e a minha mente parece não ter certeza do que é real. Faz algum tempo que não durmo direito porque ouço barulhos a noite inteira. Faz algum tempo que olho pra trás o tempo todo pra ter certeza de que não tem ninguém me seguindo, que observo com cautela toda vez que vou virar uma esquina pra ter certeza que não tem ninguém me esperando ali.

Faz algum tempo que eu tenho medo de pisar pra fora de casa e, quando estou fora, tenho medo de voltar.

Amigo, tá doendo porque você não tá aqui e tá doendo porque eu também não estou mais. Eu não sei onde eu fui parar, mas eu sei que é bem longe daqui, longe de tudo e de todos, a ponto de achar que você é o único capaz de entender alguma coisa do que eu digo agora.

Tem um nó na minha garganta que espera se desfazer em lágrimas toda vez que penso que você não vai ler essas palavras, mesmo que este fosse um dos blogs que estava constantemente nos teus favoritos. Tem um nó na minha garganta ao pensar que nas próximas festas você não vai estar lá, que nunca mais vamos pular na piscina bêbados às 3 da manhã e que nunca mais vamos ouvir American Football chorando os relacionamentos passados.

E eu não quero me despedir de você de maneira alguma, porque eu sei que você ainda vive dentro de cada um dos seus amigos, você ainda vive a cada vez que as palavras “nunca deu ruim” são pronunciadas. E, amigo, eu prometo que elas não vão deixar de ser pronunciadas.

Você disse que não queria ser another brick in the wall e, talvez, você tenha partido achando que foi exatamente isso. Se você estiver vendo a movimentação que os seus amigos tem feito por ti ultimamente, pode perceber que você passou longe de ser só mais um. Cara, você foi uma estrela que iluminou a vida de todos nós, mesmo que brevemente.

Eu tô com medo, amigo. Eu tô com medo o tempo todo, eu sinto o ar acabando, eu sinto o peso do mundo nas minhas costas, eu vejo minha visão perder as cores e eu vejo tudo acontecendo novamente.

Quando me disseram que vida adulta era difícil, eu não imaginei que seria assim.

Eu não imaginei que teria minha vida ameaçada antes dos 60. Eu não imaginei que veria um amigo partir antes dos 40. Eu não imaginei que ia ser tão assustador, que ia doer tanto.

Eu não imaginei nada disso e ao mesmo tempo eu sempre soube que poderia muito bem ser assim.

Então eu peço desculpas, porque eu não vou conseguir comparecer ao teu funeral. Eu espero que as pessoas guardem sempre as lembranças boas de você, e não a lembrança do seu corpo imóvel rodeado de flores e velas.

Eu espero que seus amigos sempre lembrem de você sorrindo, de você falando besteira, de você dizendo alguma das suas frases típicas. Porque isso é o que eu vou lembrar, amigo. Isso é o que eu vou levar de você pelo resto da minha vida.

Eu só espero que você não se incomode de eu continuar contando contigo pra ouvir minhas dores, mesmo que aí do outro lado. Porque de qualquer forma eu te amo e conto contigo sempre.

No fim, só quero que você saiba que você é amado, meu amigo. Mesmo que eu não possa te ver, mesmo que eu não possa dar um último adeus ao teu corpo, mesmo que a minha vida atualmente seja um poço de incertezas e eu esteja extremamente confusa, você é amado.

Aqui ou aí, você é amado. Pra sempre.

P.S: Me desculpa também pelo texto confuso, acho que não sei mais pensar.

2 comentários

  1. Quero começar dizendo que amei seu layout e adorei essas flores no topo dos posts!

    Sei mais ou menos do que trata teu texto e ei que é difícil, e não tem palavras pra te dizer que amenizem a dor. Isso pode demorar pra passar ou não passar nunca, e a gente sempre vive com a perda.

    Eu tenho lido muitos textos seus nesses anos e vejo você oscilando entre calmaria e tempestade, mas lembre-se: você tá sempre de pé, sempre seguindo em frente, dando conta do mundo adulto da maneira que pode. Continue. Não é fácil, e não fica mais fácil nunca. Seja verdadeira, desabe quando necessário, e lembre-se que segunda às 8h você tá sempre de pé. Força! Se precisar, chama nóis no face :)

    Pra não encerrar assim, te digo pra ver Charmed porque é lindo. Nesse momento, de digo pra assistir os primeiros episódios da 4ª temporada, onde tem uma personagem lidando com o Luto, e acho que pode te ajudar (e claro, vender minha série linda maravilhosa, que deve ser disseminada!)

    Muitos beijos e abraços apertados, Maria!

    ResponderExcluir
  2. Olá, espero que fique bem.
    Sei que é difícil e sempre vai ser. A dor não diminui, e ela demora muito até que o vazio que a gente sente no peito comece a ser menos visível. Mas uma hora ou outra, e pode demorar, você vai ver que as lágrimas não serão mais tão frequente.

    Lembrar - se dele somente em felicidade é o segredo pra senti - lo sempre perto. Mas permita - se desabar quando necessário.

    Pra terminar queria falar desse layout divo. Amei forte.
    Um abraço.

    ResponderExcluir