Páginas

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Am I alive?



Não tenho certeza se estou viva.

A minha mente travou no momento em que vi a arma apontada para a cabeça dele, e os 5 minutos precedentes passam pela minha mente de novo e novo. As palavras gritadas, o medo, a incapacidade de me mover ou falar qualquer coisa.

Não tenho certeza se estou viva, ou se morri naquele momento.

Lembro dos gritos, da dor de ter perdido os bens materiais importantes pra mim, de ver o desespero nos olhos de alguém que amo tanto. Alguém que, poucos minutos antes, ostentava um sorriso de orelha à orelha porque, no dia seguinte, ia realizar um sonho.

Minha mente travou nas batidas no vidro, travou no momento em que me escondi atrás de um poste na outra rua, travou nas palavras “fecha a porta, vadia!”. Minha mente travou e acho que morri aí.

Meu corpo vaga, mas não tenho certeza. O quanto disso é real? O quanto disso é meu espírito imaginando como seria se ainda estivesse no corpo?

Dizem que eu deveria estar feliz por não ter perdido a minha vida, e eu agradeço muito a Deus por isso.

Só que, ao mesmo tempo, me pergunto que vida é essa em que o ocorrido não para de acontecer na minha cabeça? Que vida é essa em que não consigo saber se estou mesmo viva, em que meu corpo funciona no piloto automático porque minha mente está, o tempo todo, revivendo aqueles 5 minutos?

Sei que posso recuperar todo o dano material. Sei que posso ter de volta tudo o que tinha antes, que não era tanta coisa assim no fim das contas.

Mas onde está a saúde da minha mente? Minha paz de espírito?

Como faço pra voltar a viver no agora?

Como faço pra recuperar isso?

Não sei, não sei.

E tenho a impressão de que nunca vou saber.

3 comentários

  1. Que triste. Seu texto deu um Nozinho na garganta. Espero que esteja/fique bem.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. WOW, menina.

    Acontecem umas situações na vida que mudam todo o curso da existência. As vezes pra bem, outras nem tanto. Passar por experiência traumática leva sim um pouco de nós, principalmente pela decepção com o ser humano e a impotência de ver alguém que se ama em risco :(

    Fica bem, viu

    beeeeeeijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  3. Mary, para ser sincera, não sou a melhor em comentar assuntos desse gênero ou acalentar as pessoas. Porém, já passei por essa mesma situação e sei o quão difícil é se sentir impotente. Espero que você consiga se recuperar desse trauma e seguir em frente sem (muitas) sequelas.

    Beijos,
    Attraversiamo

    ResponderExcluir